Retenção de Talentos

07-08-2020

Retenção de Talentos: 7 benefícios e 7 estratégias para aplicar na sua empresa

A Retenção de Talentos é uma estratégia de gestão diretamente ligada à redução de custos e ao aumento na produtividade. No artigo de hoje, listamos 7 benefícios e 7 dicas para aplicar o conceito na sua empresa.

 

Uma das estratégias mais antigas e efetivas para o sucesso empresarial está na redução de custos e aumento da receita.

A complexidade, óbvio, está em como conseguir melhorar os seus índices nas respectivas KPIs.

Neste caminho, algumas alternativas conseguem gerar resultados em ambos os lados, ao mesmo tempo. É o caso da retenção de talentos.

 

Claro, novamente, não se trata de algo assim tão simples.

Retenção de talentos não é um produto tangível, que você pode comprar em uma loja de softwares, e muito menos na padaria.

Estamos falando de um “trabalho em progresso”. Um conjunto de ações que te deixam mais próximos de determinado objetivo ao longo do tempo.

No texto de hoje explicamos as vantagens e como melhorar a retenção de talentos na sua empresa.

 


O que significa retenção de talentos

A retenção de talentos é um conjunto de ações e iniciativas que visam manter os colaboradores acima da média por mais tempo na sua empresa.

Ou seja, reter talentos não é o reflexo de um esforço único. Mas sim, de um plano, um conjunto de ações.

São vários os motivos que poderiam levar os seus melhores colaboradores a procurar novos ares: salário, empreendedorismo, clima organizacional, problemas com gestores e até mesmo erros no processo seletivo.

A retenção de talentos está em evitar estas razões e também em criar novos incentivos para que uma pessoa continue na sua empresa.

 


Qual a importância da retenção de talentos

Como você deve estar pensando, obviamente, tudo começa pela parte financeira. Mas os benefícios da retenção de talentos se estendem para outros tópicos igualmente palpáveis.

 

Aqui vamos citar alguns.

 

 

Autoestima da equipe

Parte dos esforços para manter talentos no seu time está no reconhecimento dos mesmos. O que, por si só, já tem uma boa carga de feitos na auto-estima.

Mas o ponto aqui não é exatamente este. Neste caso, não estamos falando do talento em si, mas sim da equipe como um todo.

 

É aquela ideia de “estar entre os melhores”.

Imagine: o que acontece quando você trabalha com alguém que é muito bom no que faz?

Entre as consequências, podemos ver até um certo aumento no empenho, para manter o nível alto. Mas o simples fato de estar em um time com pessoas capacitadas, pode gerar confiança quase que automaticamente. É como se você fosse selecionado para um super time.

 

 

Produtividade

Novamente temos dois pontos de vista.

O primeiro, está dentro da lógica de que profissionais mais capacitados, conseguem produzir mais e melhor.

Mas o segundo ponto é igualmente importante.

Um desligamento tem efeito direto na rotina de um time. Principalmente quando é algo repentino.

A equipe está com uma pessoa a menos, e continuará assim por certo tempo.

Mas mesmo quando existe uma transição, e o colaborador consegue dar um tempo para a empresa contratar, este novo membro do time vai passar por um período de adaptação:

Aprender as rotinas da empresa, talvez passar por treinamento, se entrosar com os colegas…

Enfim, não é da noite para o dia que a rotina voltará ao normal.

Quando você retém talentos, problemas deste tipo ocorrem com menos frequência.

 

 

Engajamento

Se sua estratégia de retenção de talentos for efetiva, não tem razão para imaginar que isso não afetará no engajamento do time.

Até porque, ações do tipo podem andar em conjunto.

Ao mesmo tempo em que você oferece a um colaborador mais motivos para permanecer na sua equipe, estará incentivando também o engajamento. Seja no que diz respeito ao comprometimento com metas, quanto ao participar de suas ações de Employer Branding.

 

 

Redução de Turnover

Este é o primeiro e um dos principais reflexos da retenção de talentos.

É questão de matemática. Diminuindo o número de pessoas “fugindo” do seu time, você melhora também seus índices nesta KPI.

Por consequência, você reduz seus gastos em encargos trabalhistas e na abertura de novos processos seletivos.

Recomendamos nosso artigo sobre Turnover onde explicamos o que é este indicador de desempenho, quais as vantagens, e o passo a passo para fazer todos os cálculos.

 

 

Não perder talentos para a “vizinhança”

Digamos que você é o RH de uma seguradora. Quando alguém pede demissão na sua empresa, normalmente, qual o destino?

“Outra seguradora” provavelmente vai estar no TOP 3 entre as possibilidades.

Principalmente em mercados mais “fechados”, isso é bem comum de acontecer.

Claro que você não pode segurar todos os talentos do seu nicho. Mas quando perde algum, além de esta pessoa se encontrar agora do outro lado, não existe a garantia de que sua empresa irá encontrar alguém tão bom quanto.

 

 

Melhora no clima

As ações voltadas à retenção de talentos normalmente tem efeito no clima organizacional.

Até porque, a motivação e o engajamento estão sempre presentes neste tipo de estratégia.

Mas, além disso, precisamos lembrar que a convivência em uma empresa, principalmente quando existe um fit cultural, tende a estreitar os laços com o passar do tempo.

Pessoas que trabalham há anos juntas, já aprenderam como conviver umas com as outras, muitas vezes tornando-se até mesmo grandes amigas.

 

 

Atração de talentos

Um dos benefícios da retenção de talentos está na atração dos mesmos.

Pessoas falam. Ainda mais nas redes sociais.

A partir do momento que você construiu uma boa imagem de marca empregadora perante os seus funcionários, isso terá reflexos no mercado.

E logo mais e mais talentos irão se interessar em participar dos seus processos seletivos.

 


O que uma empresa deve fazer para reter talentos

Uma das primeiras precauções estará sempre na remuneração.

Se os outros players do mercado estiverem oferecendo salários mais competitivos, sua batalha fica um pouco mais complicada.

Mas, dinheiro não é tudo. Conceitos como Qualidade de Vida no Trabalho ganham cada vez mais relevância, principalmente entre as gerações mais novas.

Um exemplo disso é a pesquisa da Usa Today, que revelou que os millennials trocariam um salário de mais de $7 mil por um emprego que proporcionasse um melhor equilíbrio entre vida e trabalho

 

Aqui você encontra 7 dicas para reter talentos por mais tempo na sua empresa.

 

1 – Identificar talentos

Como você quer reter talentos, se não sabe quem estes são?

Neste sentido, o primeiro passo está justamente na identificação de talentos.

Para isso, uma estratégia interessante é a tal matriz Performance x Potencial.

matriz performance x perfil
Fonte: Jaime Chaves

 

Como você pode ver, a matriz consiste em agrupar colaboradores em quatro categorias, de acordo com estes dois eixos: Perfil Comportamental e Performance.

A performance é avaliada pelo cumprimento de metas, produtividade, número de vendas. Enfim, como fizer sentido para a sua empresa e mercado.

Já o perfil, pode ser medido principalmente através de testes de perfil comportamental.

Munido deste tipo de softwares/ferramentas, você consegue mensurar se existe um “fit” entre a cultura organizacional e o colaborador em questão.

 

Mas qual objetivo disso?

 

Aqueles com a melhor performance, e com o perfil considerado semelhante, são o modelo de colaboradores que você busca em novas contratações.

Com o auxílio do gráfico acima, você consegue entender:

  • quando é o caso de investir em treinamento, desenvolvimento de skills técnicas ou mentorias (Perfil ideal x Baixa performance);
  • quando é o caso de investir em motivação, desenvolvimento de soft skills ou recolocação (Perfil inadequado x Alta performance);
  • e quando pode ser o caso até mesmo de uma demissão (Perfil inadequado x Baixa performance).

 

 

2 – Reconhecimento

Reconhecer um esforço, elogiar uma atitude, parabenizar por uma meta atingida.

Estas são as ações mais simples que um gestor pode fazer para reter talentos. Ao mesmo tempo, estão entre as mais poderosas.

O sentimento de pertencimento, de valorização, contribui para que alguém sinta que está no lugar e no caminho certo.

 

 

3 – Pessoas certas no lugar certo

Parece óbvio, mas este tipo de preocupação não se encontra em qualquer empresa.

Às vezes você tem um talento em mãos, mas o colocou no lugar errado. É aquela história: você precisa de um esquilo para subir em árvore, e de um peixe para nadar.

Do contrário, ambos podem se sair bem mal em suas atividades.

O que é ruim não só para a empresa, que terá alguém fazendo algo que “não é a sua praia”, quanto para a própria pessoa, que pode sofrer por não conseguir performar como gostaria.

Para evitar este tipo de situação, o caminho mais assertivo está em investir em melhorias no seu processo seletivo. Existem inúmeros softwares e ferramentas que podem te ajudar a evitar erros e otimizar os acertos.

Quanto mais afinado você estiver no seu processo seletivo, mais fácil será manter os contratados em seu time por mais tempo.

 

 

4 – Poder de decisão

A Gestão Horizontal surgiu com a premissa de que funcionários se sentem mais motivados quando participam do processo de tomada de decisão.

Tendo isso em mente, fica claro que esta também pode ser uma ação voltada para a retenção de talentos.

Não estamos falando necessariamente da Gestão Horizontal em si (apesar de ser uma alternativa interessante), mas sim em criar estratégias para que os colaboradores consigam participar, ou ter influência mais efetiva, nas decisões.

Um dos meios mais fáceis, em teoria, de se fazer isso, é criando processos de tomada de decisão com base em dados.

Até mesmo em departamentos como o RH é possível fazer isso, com o já famoso People Analytics.

Quando um colaborador tem em mãos as informações necessárias para avaliar uma situação, sabe qual é o seu objetivo, e faz isso em conjunto com o time, fica mais seguro para tomar uma decisão.

Ao mesmo tempo, tem a confiança do gestor, pois não estamos falando de um processo opinativo, mas sim lógico e analítico.

 

 

5 – Plano de Carreira

O Plano de Carreira é outra alternativa interessante, que contribui diretamente para a retenção.

Este tipo de plano evita mal entendidos em relação às remunerações e promoções. E deixa o colaborador ciente de onde e como pode chegar dentro da empresa.

Neste artigo, criamos um passo a passo de como criar um plano de carreira visando resultados. Recomendamos a leitura

 

 

6 – Invista no desenvolvimento profissional do colaborador

Lembra do gráfico que mostramos acima?

Bom, além de entender quais os “melhores talentos” da empresa, ele te ajuda a decidir que tipo de iniciativas você pode tomar para deixar os colaboradores mais perto do ideal.

Quando você investe no tipo de treinamento adequado, estará proporcionando um benefício direto para o desenvolvimento pessoal e profissional desta pessoa.

O que influi positivamente na retenção. Já que ela reconhecerá o valor que isso teve em sua evolução

 

Lembre-se:

Se um colaborador precisa se mostrar importante para a empresa empregadora. A mesma lógica vale para o caminho inverso.

 

 

7 – Propósito

Por último, mas nem de longe menos importante, está o propósito.

Este conceito vem ganhando cada vez mais espaço, e não é por acaso.

Quando uma pessoa tem seu propósito alinhado com o da empresa onde trabalha, sua motivação e sua produtividade e satisfação aumentam consideravelmente.

Quer saber como isso funciona na prática?

Então você pode gostar do nosso artigo “O que é o propósito – respostas para pessoas e empresas”.

 

Gostou das nossas dicas? Acesse o Benefi e encontre os melhores conteúdos sobre RH e Gestão de Pessoas.