o que é home office

03-02-2020

O que é home office: um guia para aplicar na sua empresa

Você está procurando novas ferramentas para reter talentos? A flexibilidade no trabalho é uma alternativa econômica e eficiente. Neste artigo vamos explicar o que é home office e como aplicar o conceito na sua empresa.

 

A retenção de talentos é uma das maiores preocupações de qualquer profissional do setor de RH. Mas a solução para este problema não se resume a bônus e salários competitivos. Claro que isso é importante. Mas existem outros meios de proporcionar a satisfação de sua equipe. Possibilitar o home office, ou mesmo o trabalho em horários ou locais alternativos, se mostra uma opção capaz de trazer, ao mesmo tempo, motivação de funcionários e ganhos econômicos em empresas.

Para se ter uma ideia, segundo pesquisa publicada em Stanford, o profissional médio estaria disposto a receber até 8% menos se tivesse a possibilidade de trabalhar em casa. Por razões como esta, a prática cresceu 50% no Brasil em 2018.

Por outro lado, não é 100% correto afirmar que trabalhar em casa é para todos. Ou mesmo que aplicar esta rotina na sua empresa seja uma tarefa simples. Neste artigo vamos explicar o que é home office, suas diferentes aplicações, e como adotar este modelo na sua empresa. Ficou interessado? Então vamos lá!

 

O que é home office:

Traduzido do inglês, Home Office significa trabalho em casa. Ou seja, o profissional trabalha na sua residência, seja de maneira autônoma ou para uma empresa. Mas é interessante fazer uma relação com o termo trabalho remoto, que amplia este conceito.

Trabalhar remoto significa estar munido de ferramentas que te permitam trabalhar fora da empresa. Seguir conectado com o empregador, mesmo que a distância. Independente de ser em casa, em outra cidade, estado ou até país.

É nesta linha que também surgiu o termo nômade digital, que se refere aos profissionais que trabalham online, morando em diferentes lugares do mundo.

Neste artigo, não vamos diferenciar os dois primeiros termos. Afinal, com as ferramentas que existem à nossa disposição, se você implementar uma política de flexibilidade, teoricamente, não fará diferença se a pessoa estiver alocada em casa, em um coworking ou em um café.

 

Flexibilidade no Trabalho

Existe ainda um outro termo que faz parte deste universo home office, ou remoto: é a flexibilidade. Algumas empresas adotam este tipo de rotina que permite ao funcionário, em alguns dias, específicos ou não, trabalhar longe de casa ou em horários alternativos.

A razão disso está em proporcionar uma maior qualidade de vida para o colaborador, que, desta forma, pode adaptar sua rotina para evitar horas em engarrafamentos, ou trabalhar perto da família em determinadas ocasiões.

 

Home office é para todos?

Possibilitar uma rotina de trabalho remoto, em casa ou qualquer outro lugar do mundo, exige uma série de cuidados. O primeiro deles é identificar se a ideia se enquadra com as demandas e com a cultura da sua empresa.

Neste caminho, é importante observar que entre as novas gerações a flexibilidade é um item ainda mais desejado. Portanto, mesmo que não seja a sua intenção como gestor adotar tal política, é interessante analisar a possibilidade com um pouco mais de carinho.

De qualquer forma, respondendo nossa própria pergunta: não, home office não é para todos. Pelo menos hoje em dia. Tudo vai depender do perfil profissional e, como falamos anteriormente, das demandas.

Por exemplo, algumas pessoas necessitam de liberdade para produzir melhor, já outras, preferem ter uma rotina, ou até mesmo alguém “por perto” para manterem o foco. Ao mesmo tempo em que é difícil imaginar certos cargos de indústria, ou que envolvam atendimento presencial, permitindo o home office. Talvez um horário flexível amplie mais as possibilidades. Ainda assim, tudo vai depender da sua organização, dos líderes e dos próprios colaboradores.

 

Vantagens do home office

É evidente que este tipo de rotina oferece benefícios nas duas vias, empregado e empregador. Não fosse assim, sejamos francos, difícil imaginar um crescimento da prática tão notável quanto o que ocorre hoje. Aqui vamos listar algumas das vantagens na visão de cada um.

 

Para os funcionários:

Menos stress e mais vida útil

Imagine trabalhar sem precisar enfrentar longos engarrafamentos, sinaleiras, arranca e para, e todo aquele caos do trânsito brasileiro. O trabalho remoto permite não só viver sem este tipo de problema, mas também oferece, quase que de brinde, o benefício do tempo. Qualquer meia, uma, duas, três horas, que o seu funcionário economiza no trânsito, sobra para investir em tempo com a família, lazer, ou, porque não, no próprio trabalho.

 

Maior proximidade da família

Estar mais próximo da família pode significar tudo para quem tem filhos ou dependentes. O trabalho remoto, neste caso, principalmente o home office, viabiliza se dedicar ao trabalho sem se distanciar de quem você ama. Falando assim, até pode soar como uma romantização do tema. Mas não se engane. Pode ser justamente este motivo que fará um colaborador recusar uma eventual proposta da concorrência.

 

Autonomia

Tudo é uma questão de perfil. Ao passo que certas pessoas priorizam a família ou tempo de vida, outras só querem se sentir donas de si mesmas. Poder trabalhar, sair para tomar um café na padaria, voltar relaxado e começar tudo de novo, ainda mais produtivo. Ou ainda poder ir pagar uma conta no banco sem precisar se constranger em pedir permissão, ou perder o horário de almoço. Tudo é uma questão de como seu colaborador define o que é ter qualidade de vida.

 

Privacidade

Agora entramos no campo do imaginário. Mas nem por isso a argumentação perde o sentido. Principalmente em empresas que possuem um dress code mais rigoroso, a oportunidade de eventualmente trabalhar em casa, com roupas confortáveis, pode significar um grade alívio. Falando de um ponto de vista mais corporativo, o home office também se traduz em uma liberdade de produzir sem lidar com eventuais reuniões de emergência, colegas pedindo ajuda ou situações do tipo.

 

Para a empresa:

Economia

Talvez este seja um dos grandes motivos que leve tantas empresas a adorarem a prática. Um colaborador produzindo em casa ou em qualquer lugar que não seja o escritório, resulta em uma economia de luz, materiais e até mesmo espaço. Uma empresa que adota uma rotina flexível pode aumentar sua equipe sem ter que fazer o mesmo com o seu HQ (e com o aluguel).

 

Retenção de talentos

Vamos ser bem diretos aqui. Segundo pesquisa publicada pelo New York Post, não possuir flexibilidade no trabalho ocupa a segunda colocação entre os motivos que lavam um millennial a pedir demissão. Considerando que hoje eles ocupam 50% do mercado de trabalho, isso é bem relevante. Portanto, se você deseja reduzir custos com tunover, o home office pode estar entre as alternativas mais eficientes.

 

Felicidade no trabalho

Você pode ter estranhado: porque a felicidade no trabalho aparece como benefício das empresas? Bom, existem duas maneiras de explicar. A primeira, é porque colaboradores infelizes produzem 40% menos. A segunda é justamente o outro lado da moeda: pessoas que estão satisfeitas com o seu trabalho produzem até o dobro do que as outras.

 

Mas o trabalho remoto é este mar de rosas?

Aqui vale repetir: o home office oferece grandes benefícios tanto para empresas quanto para colaboradores. Mas, é importante entender que estamos falando de casos em que este tipo de rotina é aplicado com eficiência. Para tanto, é preciso alguns cuidados. Vamos citar alguns:

 

Estrutura:

O funcionário que trabalha em casa vai ter o mesmo conforto do que na estação de trabalho do seu escritório? Ou melhor, ele vai se sentir confortável e motivado? Questões como esta reforçam a ideia de que a prática não é vista da mesma maneira para todos. Ao mesmo passo em que alguns se sentem super a vontade em casa, outros podem não ter nem mesmo onde trabalhar com conforto.

 

Produtividade:

Alguns tópicos mais acima, falamos que pessoas mais felizes são mais produtivas. Mas, neste mesmo artigo também reforçamos a individualidade de cada pessoa. Estar em casa não é o mesmo que estar feliz (embora possa contribuir para isso). Um exemplo disso é esta pesquisa de Harvard que aponta que pessoas que trabalham sem lugar fixo produzem mais do que em home office.

Mas o ponto em questão aqui é outro: como garantir, ou monitorar, a produtividade? Falaremos sobre isso logo adiante.

 

Gerenciamento de tempo

No mesmo caminho da produtividade está o gerenciamento do tempo. Uma coisa é a teoria. Outra é a prática. Aquela ideia de uma pessoa que sai para fazer exercícios, ou tomar um café com os amigos, e depois volta para trabalhar, super motivado e com a produtividade lá em cima, nem sempre acontece. Na verdade, trabalhar em casa envolve muito mais disciplina do que no escritório. Quanto mais frequentes as interrupções, menos a pessoa trabalha. Por isso, é importante certos cuidados, como estipulação de metas semanais, para ter um acompanhamento de que o profissional realmente está comprometido.

 

Como aplicar home office (ou rotina flexível) na sua empresa

A gente até poderia criar um passo a passo para você implementar a prática do home office na sua empresa. Mas, de novo, tudo vai depender da sua rotina. Por isso, no lugar de dizer o que vem antes e o que vem depois, separamos algumas dicas para alcançar o melhor que o trabalho remoto tem a oferecer.

 

a) Estipular metas

Esta é uma das maneiras mais efetivas de garantir o funcionamento do home office na sua empresa. Estipule metas semanais e veja o resultado. Metas diárias, dependendo do caso, até podem ser interessantes. Mas é importante ter uma coisa em mente: o colaborador não pode se sentir mais “preso” em casa do que no escritório. Confie na sua equipe e acompanhe os resultados de uma maneira saudável.

 

b) Reuniões periódicas

Um acompanhamento a partir de reuniões periódicas é outra alternativa interessante para garantir a disciplina e os bons resultados. Elas podem ser semanais, ou até diárias, desde que otimizadas e sem perda de tempo.

 

c) Encontros ou momentos de descontração

Uma das preocupações com o home office é o distanciamento entre os membros do time. Conversas de corredor, almoços, normalmente contribuem para que colegas de trabalho se tornem verdadeiros amigos. Se no seu caso o trabalho remoto acontece apenas em alguns dias da semana, o cenário não muda. Mas se for em 100% do tempo, o relacionamento pode ficar mais distante. E todos sabemos a importância de criar o sentimento de time. Assim sendo, estipular reuniões com o objetivo específico de se distrair e conhecer uns aos outros pode ser uma boa ideia. O mesmo vale para encontros e happy hours.

 

d) Regras bem definidas

Flexibilidade não é o mesmo que ausência de regras. Definir aquilo que você espera dos seus colaboradores pode ser fundamental para evitar qualquer tipo de mal entendido. E também fica mais fácil de cobrar e acompanhar. Se haverão reuniões presenciais ou à distância, se existe uma meta mínima diária ou semanal, ou qualquer outro ponto ponto importante, é melhor definir e comunicar de forma clara para o seu time.

 

e) Faça um teste com o Home Office

A essa altura, você já deve ter entendido que o trabalho remoto, ou home office, é uma tendência cada vez mais presente em nossa realidade. Por tanto, nada melhor do que fazer um teste. Escolha uma equipe específica, talvez uma dia da semana, estipule suas metas e veja o resultado. Pode ser o início de um novo relacionamento, onde você valoriza a qualidade de vida do colaborador, e experimenta os desdobramentos positivos disso tudo.

 

Gostou do artigo? Se você está interessado em ferramentas que aumentam a retenção e atração de talentos na sua empresa, pode gostar também do nosso texto sobre plano de carreira.