Autogerenciamento

24-05-2020

Autogerenciamento: aprenda como gerenciar a si mesmo

Autogerenciamento significa gerenciar a si mesmo. Isso envolve conhecer suas forças e fraquezas, e investir no que você tem de melhor.

 

Gerenciar a si mesmo pode ser tão, ou até mais, difícil do que coordenar uma equipe inteira. Não à toa, o autogerenciamento é uma das competências mais desejadas entre recrutadores, principalmente visando cargos de liderança.

A dificuldade por trás desta palavra está no simples fato de que é muito mais fácil avaliar os outros, apontar defeitos e qualidades, do que fazer isso em nós mesmos. Neste sentido, o autogerenciamento não está relacionado apenas ao controle de suas próprias tarefas (ou tempo), mas muito mais em conhecer a si mesmo.

Na visão coletiva, gerenciar uma equipe significa identificar o que cada membro do time tem a oferecer de melhor, para que as tarefas sejam distribuídas e realizadas com sucesso. O autogerenciamento significa fazer isso consigo mesmo. Ou seja, você reconhece em si suas principais habilidades e as utiliza à seu favor. Investe tempo nelas, busca evoluir no que é necessário, e procura soluções para aquilo que “não é a sua praia”.

 

Dicas de autogerenciamento: como gerenciar a si mesmo?

Seja trabalhando sozinho ou em equipe, saber gerenciar a si mesmo é fundamental. Confira aqui nossas dicas para praticar o autogerenciamento e obter sucesso na sua carreira.

 

Busque o autoconhecimento

O autoconhecimento é uma chave que abre muitas portas em nossa vida pessoal e profissional. No caso do autogerenciamento, isso é o primeiro passo. Como falamos antes, para gerenciar a si mesmo, é preciso se tornar um “chefe” de si mesmo. E isso envolve conhecer-se com mais profundidade.

Existem várias maneiras de buscar autoconhecimento. Terapias, imersões, coaches, testes comportamentais, e até mesmo práticas espirituais. Com certeza você pode encontrar um meio que se enquadra em suas características e crenças pessoais. Tudo é questão de perder o medo e dar o primeiro passo, além de ter paciência consigo mesmo, aceitar que algumas barreiras podem surgir no meio do caminho e confiar na sua capacidade de superá-las.

 

Invista no que você tem de melhor

Começamos nossas dicas com o autoconhecimento, pois isso vai te ajudar a entender melhor suas qualidades e aptidões. Invista seu tempo nelas!

Se você sabe os seus pontos fortes, use-os ao seu favor. Priorize tarefas em que você tem mais aptidão para resolver, e você estará mais perto do sucesso.

Imagine que você é o líder de uma equipe. O que seria mais sábio: priorizar o que cada membro do time tem de melhor? Ou obrigar todos a fazer todas as tarefas ao mesmo tempo, esquecendo suas competências? A primeira resposta parece mais acertada, não é? Praticar o autogerenciamento significa ter a maturidade e clareza de identificar que você é ótimo em algumas coisas, mas nem tão bom em outras. E assim tomar decisões em relação à sua rotina e à sua própria carreira.

 

Desenvolva (apenas) o que é necessário

Bom, ao mesmo tempo que você deve investir no que tem de melhor, dependendo do cenário, talvez seja necessário desenvolver algumas habilidades ou competências que poderiam ser úteis em seu dia a dia.

A parte boa é que existem cada vez mais soluções para fazer isso (falaremos sobre no próximo tópico). Faça uma autoanálise, defina o que você pode evoluir e corra atrás das soluções.

 

Busque o conhecimento

Vivemos em uma era em que nunca foi tão fácil ampliar nossos conhecimentos. Cursos e workshops online e presenciais, blogs como o nosso, tutoriais, vídeos no youtube. Existem várias soluções para desenvolver uma habilidade ou conhecimento específico que você julga necessário para sua carreira.

A questão aqui é ser certeiro. Conforme aumentam as possibilidades de aprendizado, também aumentam as chances de você fazer um curso que não precisa. Por isso este exercício de autoanálise é tão importante. É preciso definir o que é realmente necessário aprender, e o que você pode buscar outras maneiras de solucionar.

 

Seja humilde e aceite quando precisa de “ajuda”

Esse é um ponto muito importante. Fazendo uma autoanálise, você vai perceber que consegue resolver algumas tarefas com incrível facilidade. Também vai identificar que é importante ampliar o seu conhecimento em determinados quesitos. Mas, ao mesmo tempo, também vai (e deve) descobrir que algumas coisas simplesmente não são a sua praia. E é aí que o autogerenciamento entra. Para você conseguir investir tempo no que tem de melhor, é preciso buscar soluções para aquilo que você não é tão bom assim.

Pode ser um software, um sistema de integração, uma divisão de tarefas mais adequada em sua equipe… Se você for um empreendedor, talvez a resposta esteja até mesmo em um sócio. Tudo vai depender do cenário que você está inserido. Analisando a você mesmo, e àquilo que está ao seu redor, você estará apto para encontrar soluções criativas para poder gastar mais tempo com o que é necessário de verdade.

 

Crie um objetivo (faça um plano)

Quando você tem um objetivo bem desenhado, fica mais fácil definir um plano para alcançá-lo. Neste sentido, quando você decide ampliar sua capacidade autogerenciamento, é necessário definir onde quer chegar.

Assim você é capaz de criar uma estratégia, identificar como você se encaixa nela, e aplicar tudo aquilo que falamos nos tópicos anteriores.

 

Aprenda a gerenciar o seu tempo

Não existe autogerenciamento sem um mínimo de gerenciamento de tempo. Definir uma rotina, estabelecer metas mensais e semanais, começar o dia analisando todas as suas tarefas e analisando se tudo está acontecendo conforme o planejado. Existem várias maneiras de otimizar e gerenciar o seu tempo.

Novamente, a internet está repleta de soluções que podem te ajudar nisso. Softwares como o monday.com ajudam no gerenciamento de times. Ferramentas como o Google Agenda te ajudam a conciliar suas tarefas pessoais e profissionais. Mas existem várias outras soluções. Até mesmo manuais, como é o caso do Bullet Journal. Procure ler sobre o assunto, pesquise artigos, soluções tecnológicas e mecânicas, teste! Você com certeza vai encontrar uma sistemática funcione para você.

 

Cuide da sua saúde física e mental

Estar com a saúde física e mental em dia ajuda e muito na sua capacidade de autogerenciamento. Quanto mais desenvolvida estiver sua inteligência emocional, maior será sua maturidade para analisar cenários e mais assertivas serão suas decisões, principalmente quando estão relacionadas ao seu próprio nariz. No mesmo caminho, cuidar da saúde física também é fundamental, até porque elas estão diretamente ligadas. Quanto mais saudável você estiver, melhor será sua resistência para enfrentar os seus desafio e atingir suas metas.

 

O que você achou das nossas dicas? Como falamos no último tópico, cuidar da saúde e do seu bem-estar tem uma ótima contribuição para melhorar o seu autogerenciamento. Quem trabalha em casa pode gostar do nosso artigo sobre “Técnicas de alongamento e relaxamento para home office”.

Acesse nosso blog e encontre as melhores dicas sobre RH e Gestão de Pessoas.